Siga-nos  
                                                       Cidadão SP    /governosp    Dúvidas Frequentes


Parceria entre Instituto de Pesca e Instituto de Zootecnia busca produção de iscas vivas em sistema de aquaponia
Vantajoso dos pontos de vista ambiental e econômico, sistema pode trazer mais renda e alimento para pequenos produtores, aliando aquicultura e cultivo de hortaliças.

Pesquisa científica realizada pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio de parceria entre os Institutos de Pesca (IP) e de Zootecnia (IZ), da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), visa promover a criação de espécies utilizadas como isca viva em conjunto com a produção de hortaliças. O sistema, conhecido como aquaponia, otimiza o uso de recursos naturais e de espaço, e pode significar mais ganhos para o produtor.

“O sistema de aquaponia é uma combinação entre dois sistemas: a aquicultura (cultivo de organismos aquáticos) e a hidroponia (cultivo de vegetais sem uso de solo, a partir de solução nutritiva)”, conta o pesquisador do IP Marcello Boock. Conforme explica, nesse sistema, peixes ou camarões de água doce são mantidos em reservatórios de pequeno porte (até mesmo caixas d’água), onde recebem a ração. Em decorrência das excretas produzidas (fezes e amônia) e das sobras de alimento presentes, a água passa a ter altas concentrações de nutrientes — esses servirão de adubo para as plantas. “Essa água carregada de nutrientes é constantemente bombeada para o outro componente do sistema, que seria a parte correspondente à hidroponia, onde as mudas, posicionadas em ‘prateleiras’, são plantadas em substrato próprio”, elucida Boock. “Depois de absorvida parte dos nutrientes pelas plantas, essa água retorna, por gravidade, para o tanque de cultivo dos camarões ou peixes. Isso ocorre continuamente, é um Sistema de Recirculação de Água”, complementa.

De acordo com o pesquisador do IP, o sistema configura um ciclo fechado, onde o uso dos recursos é otimizado. De um lado, a água carregada de nutrientes, que seria tóxica para os peixes, serve de solução nutritiva para o desenvolvimento das plantas; por outro, ao passar pelas raízes e pelo substrato de cultivo, a água retorna purificada, sem que seja necessário trocá-la. “A água retornando continuamente para os peixes faz com que quase não haja gasto de água. Utiliza-se quase a mesma água durante todo o cultivo, só sendo necessária a reposição do que é perdido por evaporação e evapotranspiração das plantas”, comenta o especialista. Segundo ele, isso difere dos sistemas comuns de aquicultura e também da hidroponia convencional, onde há troca constante de água e necessidade de tratamento do que é descartado.

Dessa forma, Boock conta que a principal vantagem do sistema é o uso consciente dos recursos naturais, principalmente a água. “Nesse sistema, devido à recirculação, gasta-se até 90% menos água do que em um sistema de produção agrícola convencional, que utiliza irrigação”, garante o pesquisador do IP. O impacto ambiental do método, menciona, se resume aos gastos de energia elétrica para operação das bombas. “Esse consumo é pequeno, dado que são bombas de baixa capacidade, uma vez que o sistema é, atualmente, mais adaptado a pequenos produtores e piscicultores familiares”, pontua o especialista. Como lembra, já se planeja inclusive o uso de energia fotovoltaica acoplada ao sistema, reduzindo ainda mais o impacto de seu funcionamento.

Parceiro de Boock no projeto, que está sendo desenvolvido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Pirassununga do Instituto de Pesca, o pesquisador do IZ Fernando André Salles elenca outras vantagens do método. “Por sua natureza essencialmente recicladora, a aquaponia permite uma economia no uso de fertilizantes sintéticos na produção de vegetais, além de evitar a descarga de nutrientes potencialmente poluidores provenientes da piscicultura”, ressalta Salles. “Outro aspecto interessante da aquaponia é o fato dela poder ser utilizada em escala doméstica, aumentando desse modo a segurança alimentar das famílias, com o consumo de pescados e principalmente de vegetais frescos produzidos diariamente”, agrega.

O especialista acredita que o modelo é aplicável a diferentes regiões de SP e também em outros Estados, podendo contribuir muito com o desenvolvimento de regiões semiáridas, como boa parte do Nordeste brasileiro. “A aquaponia pode, ainda, ser conduzida em ambientes urbanos e periurbanos, em proximidade ao mercado consumidor, diminuindo desse modo o transporte de mercadorias e, por conseguinte, a emissão de carbono proveniente da queima de combustíveis”, enfatiza Salles.


Projeto com iscas vivas

A atividade de pesca esportiva encontra bastante espaço nos rios e represas do Estado de São Paulo e, com ela, se mantém a comercialização de espécies de pequeno porte utilizadas como iscas vivas, normalmente peixes ou camarões.

Conforme conta Boock, para se evitar a coleta dessas espécies no ambiente e os impactos decorrentes, a criação para venda tem sido uma tendência. “Normalmente existem aquicultores que produzem iscas (sobretudo lambaris) em grandes quantidades, em viveiros de engorda, e que vendem para pequenos atravessadores, geralmente pescadores artesanais”, detalha o especialista. Estes, conta, adquirem e mantêm os organismos de uma forma precária, revendendo de acordo com a procura.

O pesquisador do IP relata que, em momentos de mau tempo ou baixa temporada de pesca, as iscas-vivas podem ter de ficar mais tempo armazenadas nos reservatórios, o que pode causar uma deterioração da qualidade de água, com consequente aumento da mortalidade e perda financeira. “Com esse sistema que estamos propondo, o pequeno distribuidor poderia manter as iscas por períodos mais longos, de uma maneira mais controlada, e vender um produto de melhor qualidade”, assegura Boock.

Além disso, pontua, produziria hortaliças e temperos (alface, manjericão, rúcula etc) que podem ser consumidos por ele e a família, contribuindo com a Segurança Alimentar, ou mesmo comercializados para se ter uma nova fonte de renda. “Esse é o enfoque: tentar resolver o problema das pessoas que comercializam as iscas, os pequenos distribuidores, ao mesmo tempo em que se incentiva o grande produtor a aumentar o volume de negócios, pois os compradores vão conseguir armazenar mais peixes por mais tempo na propriedade, e isso acaba fortalecendo vários elos dessa cadeia da pesca esportiva”, finaliza Boock.



Fonte: O Presente Rural

03 Janeiro 2022

https://opresenterural.com.br/parceria-entre-instituto-de-pesca-e-instituto-de-zootecnia-busca-producao-de-iscas-vivas-em-sistema-de-aquaponia/


Projeto do IP unifica aquicultura e cultivo de hortaliças
Produção de iscas vivas em sistema de aquaponia conta com parceria do IZ